Résistance Identitaire Européenne

Terre et Peuple Magazine

EDITORIAL - TP MAG N°66 (versão em português)

O pavio está aceso

 

Os homens do Sistema escaparam por pouco. Esquerda e direita revelaram, de forma particularmente espectacular nas regiões de Nord-Pas de Calais-Picardie e PACA, a sua profunda cumplicidade, com o único propósito de salvar as suas prebendas (aquilo a que chamam “salvar a República”).

A vitória deles foi uma vitória de Pirro. O diário “La Provence” (de 14 de Dezembro de 2015) é obrigado a reconhecer, contrariado, que “a paisagem política assemelha-se a um campo de ruínas”. Mas nós somos os homens no meio das ruínas…

Os números são estes: a Frente Nacional, conseguindo 6,28 milhões de votos, passa de 118 a 358 conselheiros regionais. E, quando olhamos de perto para os resultados, vemos desenharem-se realidades no terreno. Assim, no departamento de Alpes de Haute-Provence, Marion Le Pen está à frente em 54 municípios. Tal significa que o segredo de futuros êxitos está na implementação regional e local, com a perspectiva de conquistar câmaras municipais e estabelecer redes eficazes.

Mas o mais importante não está aqui. Está nas perspectivas que se abrem para aqueles que, como nós, consideram que os desafios eleitorais são simples alavancas para contribuir – apenas contribuir – para o derrube do sistema. Este colapso tornar-se-á possível quando, na cabeça das pessoas, tenha progredido a mentalidade revolucionária (o Sistema não se discute, destrói-se).

O essencial é a conquista cultural dos espíritos, que prepara, como ensina Gramsci, a conquista política. Deste ponto de vista, estamos no bom caminho e os menos estúpidos do outro lado sabem-no muito bem (é mesmo o que os inquieta mais). Cabe-nos reforçá-lo.

O sentimento de frustração nascido da decepção de uma vitória roubada deve desencadear, nos eleitores da FN, uma tomada de consciência no sentido de uma radicalização total e irremediável. Radicalização das convicções e radicalização dos projectos. Que permite, de uma vez por todas, acabar com a ilusão de que a direita pode salvar o que quer que seja no naufrágio da sociedade na qual vivemos. Marion Le Pen, a frágil e jovem mulher que mostrou que é de aço temperado, resumiu muito bem a situação ao declarar: “eles ganharam uma eleição mas perderam a própria alma (…) há vitória que envergonham o vencedor (…) As regiões que a esquerda ajudou a direita a ganhar são um presente envenenado (…) Se eles pensam que nos assustam, que nos desencorajam, estão enganados… Vamos redobrar os esforços e a combatividade”.

Enquanto o desemprego, a miséria, a insegurança, a imigração-invasão vão continuar, inevitavelmente, a causar mais estragos, não é tempo para desdenhar da militância, porque existem, claramente, a partir de agora em França, dois campos e apenas dois: os agentes (e as vítimas consentâneas) do Sistema e os Patriotas. Quando o inimigo está aqui, à nossa porta, não é tempo para preciosismos ou para discutir o sexo dos anjos. É por isso que marchamos ao som do canhão.

Pierre Vial

 

tradução por Duarte

Imprimer

En poursuivant votre navigation sur ce site, vous acceptez l'utilisation de cookies pour réaliser des statistiques de visites